Fechar
  • Português
  • English
  • Português
  • English
  • Sempre Ao Seu Lado

    Cachorros são anjos
    Por Mamacita - 18 de Abril de 2018 Atualizado em 18/04/2018, 18:05
    ava

    Sempre Ao Seu Lado – Esse post não tem nada a ver com jogos, mas eu quis usar este espaço para desabafar, e talvez alguns de vocês compartilhem dessas histórias.

    Quando eu tinha mais ou menos 6/7 anos, minha mãe comprou um cachorro. Uma cachorra. A raça era pastor alemão e seu nome era Uchita. Não me pergunte de onde ou o porque do nome.

    Uchita
    Uchita

    Acreditem se quiser, mas ela teve uma vida longa. Foram 16 anos, e até hoje, quando paro para lembrar, me lembro dela chegando, em uma caixa, e me lembro de sua última noite. Ela era muito doce e muito quietinha. Inteligente que só. Todos eles são.

    Em uma madrugada, ela latia muito. Já estava muito velhinha. Durante a sua fase adulta, havia feito duas ou três cirurgias para a retirada de tumores, e mesmo assim foi forte.

    Lembro-me de ter acordado com seus latidos durante aquela noite, e pedia a ela para parar de latir. Eu não sabia o que ela tinha. Pela manhã, eu acordei para trabalhar e chegava muito tarde da faculdade. Naquela manhã eu não fui vê-la. Não me despedi, como geralmente eu fazia.

    Quando cheguei a noite em casa, fui no quintal chamá-la. Minha avó tinha um semblante triste, e com a cabeça acenou para o quintal e chacoalhou a cabeça como se estivesse dizendo não. Eu não consegui entender e perguntei onde ela estava.

    Minha avó disse que naquela manhã, depois de ter comido, ela se sentou e não levantou mais. Ficou olhando para a minha avó, que imediatamente ligou para o seu veterinário. Ela havia descadeirado, e foi preciso sacrificá-la. Chorei a noite toda e até hoje tenho remorso por aquela noite. Até hoje choro e meu peito dói quando me lembro.

    Um pouco mais de um ano sem a Uchita, estávamos querendo um novo cachorro, mas sabíamos que a minha avó não queria, porque no final das contas, era ela quem cuidava e também já estava ficando velinha.

    De tanto encher a paciência da minha mãe, comecei a procurar um cachorro na internet e ver fotos. Sem ela saber. Eu queria um cachorro grande, talvez todo branco, e aí “descobri” a raça Akita. Eu nunca tinha visto antes e fiquei apaixonada, mas cachorro é muito caro, então pesquisei e pesquisei, e, na estrada que leva para Cotia, sempre tinha venda de filhotes. Fomos lá um dia.

    O combinado era: não falaríamos nada para a minha avó, e chegaríamos em casa de surpresa com o cachorro. Pensamos que ela não teria coragem de nos dizer para devolver, então seguimos com o plano.

    Ela estava sozinha, numa espécie de caixa, e quando eu a vi logo peguei no colo. Não aguentei. O dono me garantiu que ela era pura e ia ficar branca e vermelha (a pelagem), mas quem se importava depois de ver essa carinha?

    Seu nome seria Ava. Estava decidido.

    ava

    Colocamos ela no carro, dentro de um cesto, no banco de trás. Não podia acreditar em como ela era bonita e linda. Encheu meu coração de amor. Queria que minha mãe chegasse logo em casa. Estava ansiosa.

    No caminho, começamos a nos perguntar o que falaríamos, então, quando a minha mãe parou o carro na garagem, eu voei pra dentro de casa e perguntei a minha avó, se ela podia nos ajudar com algumas sacolas do mercado. Ela foi em direção a porta traseira na direita, e eu disse a ela que tinha que ser na esquerda. Ela foi.

    Quando abriu a porta do carro, ela deu um grito e disse: “oh meu deus, que gracinha”. Ufa! A pior parte já tinha passado.

    Tirei ela do carro e a levei para o quintal. Ela cheirou e cheirou e logo a minha avó perguntou quem iria cuidar. Rindo, eu disse que ela. Ela riu e me xingou, e depois disse “eu avisei que não queria mais cachorro depois da Uchita”, e eu disse “Ah vó mas agora ela já está aqui. Olha como ela cheira tudo”, e logo fez xixi, no lugar certo.

    vó e ava

    Ava  

    Ava

    Não sei se vocês lembram, mas em 2009, 2010 saiu um filme sobre a história do Hachi (Sempre Ao Seu Lado). Um cão desta mesma raça.Quando assisti eu fiquei triste demais, e aí você pensa nos seus, mas acha que eles nunca se vão.

    Ava

    Há algumas semanas, a Ava começou a apresentar problemas na alimentação. Recentemente, descobrimos que poderia estar com câncer no estomago.

    Ontem, a minha mãe deu a noticia de que tinham acabado de sair do oncologista, e que ela estava com câncer no estomago (6cm), e varias metástases no fígado (tomado de 2 a 5 cm).

    Uma de suas patinhas também ficava dobrada o tempo todo, estava com infecção na urina, anêmica e respiração muito ofegante. Os médicos disseram que ela não resistiria a quimio e isso não melhoraria a sua qualidade de vida.

    Perdera quase 3 kgs em 10 dias. Não se alimentava também. No ultimo domingo 1 banana (que ela adorava) e 3 biscoitinhos.

    Ontem a noite pude me despedir.

    Decidimos sacrificá-la, para o seu próprio bem. Hoje, 18/04/2018 ela virou uma estrelinha, e que correrá feliz no céu dos cachorros, com milhares de outros cachorros, com São Chiquinho e com a Uchita.

    Ava

    Sempre digo que não merecemos os cachorros ou qualquer outro bichinho. Eles nos ensinam muito mais do que nós ensinamos a eles, e acredito que mereçam muito mais anos de vida do que nós humanos. Eles têm o coração mais puro, e sua capacidade de perdoar ultrapassa a nossa inteligência.

    A Ava, assim como a Uchita, foram excelentes companheiras. Por agora, ficamos nós aqui. Continuarei cuidando do Theobaldo, Mafalda e Oliver (que ainda é muito novinho). Tenho a certeza de que nos encontraremos de novo Uchita e Lobinha, e brincaremos em meio às flores.

    Por agora fica a dor e mais uma cicatriz, repleta de memorias, até que ela vire uma saudade sempre cheia de carinho e muito amor. Vá com Deus filha.

    Te amo demais e para todo o sempre. Sempre!

    Camila

    Comente, sugira e participe: